Estandarte da PAEL    A Maçonaria      Fale Conosco     Home

Presidentes da República que foram Maçons

Deodoro da Fonseca

Nascido em Anádia (hoje, Deodoro), na Província de Alagoas, a 5 de agosto de 1827, e falecido no Rio de Janeiro, a 23 de agosto de 1792, Manoel Deodoro da Fonseca foi o líder da revolução, que implantou a República no Brasil. Pertenceu a uma família de militares e ingressou na Escola Militar em 1843, tendo pertencido à geração seguinte à de Caxias e Osório. Quando tenente, integrou a tropa destacada para Pernambuco, por ocasião da Revolução Praieira, de 1848; como capitão, seguiu para o Uruguai, participando dos episódios que antecederam a Guerra do Paraguai, da qual também participaria e da qual retornaria, em 1870, já como coronel. Em 1874, era promovido a brigadeiro e, em 1884, a marechal-de-campo.

Foi um dos líderes da Questão Militar e, a 15 de novembro de 1889, desempenharia o papel principal e decisivo, no levante que instituiu a república no Brasil. Chefe do Governo Provisório, seria, depois, eleito presidente, de acordo com a Constituição, aprovada, a 24 de fevereiro de 1891, pelo Congresso Constituinte, a qual instituiu o presidencialismo. Dois dias após essa aprovação, a Assembléia elegia os governantes. Uma das chapas tinha Deodoro e Eduardo Wandenkolk (também maçom), como candidatos, respectivamente, a presidente e vice; a outra tinha, postulando os mesmos cargos, Prudente e Floriano. Deodoro venceu por estreita margem de votos (129 a 97). Enquanto Floriano derrotava Wandenkolk, por margem maior.

Já se desenvolvia, porém, uma crise entre o Executivo e o Legislativo, desde janeiro, quando o ministério, chefiado pelo antigo líder conservador, barão de Lucena, mostrou-se impotente para enfrentá-la , daí o grande número de votos dados a Prudente, contra Deodoro, na eleição pelo Congresso. Politicamente inábil, embora brilhante militar, teve de enfrentar, ainda como chefe do Governo Provisório, um Parlamento hostil e críticas da imprensa, às quais não estava acostumado. Isso levaria à emissão do decreto de 23 de dezembro de 1889 --- chamado de "decreto rolha" --- que instituía violenta censura à imprensa. Além disso, muitos de seus ministros discutiam, como é de hábito, num regime democrático, os seus atos, opondo-se algumas vezes a eles, o que era inaceitável, para Deodoro, diante de sua formação na caserna. Isso levaria à crise de janeiro de 1891, quando os ministros pediram demissão e ele, em mais uma inabilidade política, convidava, para compor um novo governo, o barão de Lucena, notório monarquista, o que desagradou a todos os republicanos.

No auge da crise, não podendo governar com um Congresso hostil, Deodoro dissolveu-o, a 3 de novembro de 1891, naquele que seria o primeiro dos muitos atentados à democracia republicana, na História do Brasil. Com isso ele perderia todos os apoios e renunciaria ao cargo, para não provocar uma guerra civil, diante da Revolta da Armada, liderada pelo almirante Custódio de Melo, em reação ao golpe do presidente.

Foi maçom ativo, desde que foi iniciado, a 20 de setembro de 1873, através da Loja "Rocha Negra", de São Gabriel, Rio Grande do Sul, do Grande Oriente do Brasil. Apesar de suas viagens e remoções, devidas à sua patente militar, manteve, sempre, uma apreciável atividade maçônica. Pertenceu à Loja "Dois de Dezembro", do Rio de Janeiro e chegou ao Grão-Mestrado do Grande Oriente do Brasil --- foi o 13º Grão-Mestre, eleito a 19 de dezembro de 1889 e empossado a 24 de março de 1890 --- tendo renunciado ao cargo, a 18 de dezembro de 1891, depois de renunciar à presidência da República, vindo a falecer oito meses depois.


Biografia de outros presidentes da República do Brasil que foram maçons:


Floriano Peixoto - veja biografia
Prudente de Moraes - veja biografia
Campos Salles - veja biografia
Nilo Peçanha - veja biografia
Hermes da Fonseca - veja biografia
Wenceslau Brás - veja biografia
Delfim Moreira - veja biografia
Washington Luís - veja biografia
Nereu Ramos - veja biografia
Jânio Quadros - veja biografia